quarta-feira, 9 de agosto de 2017

abraços desfeitos




É simples a separação. 
Adeus. 
Desenlaçado o último abraço, uma pressa de dar contas um ao outro. 
Já não há gestos. O derradeiro (impossível) seria não desfazer o abraço. 
Pressa de cada um retomar o outro na teia lenta da remembrança. 
Não desfazer o abraço. Ficar face encostada ao niagara dos cabelos. 
Sobram fotografias, voz no gravador, um bilhete na caixa do correio. Sobra o telefone. 
Tensão - telefone. Experimentada. Sofrida. 
Tensão - telefone. Possibilidade de voz não póstuma. 
No gravador, voz de ontem, de anteontem. De há anos. 
Sobra o telefone. Mudo. 
Retininte? 
Sobrarão as cartas. Sobra a espera. 
Na teia lenta da remembrança, retomo-te em memória recente: 
 na praia de ternura onde nos enrolámos e desenrolámos 
 desesperados de separação. 
Sobra a separação. 






Alexandre o'Neill

1 comentário:

  1. Es hermoso deshacer el abrazo. Hacerlo y deshacerlo, como un lazo. Abrazo.

    ResponderEliminar